O Preconceito Paulista

AuthorAutor: Valton Miranda    CategoryMarcadores: , , ,


O preconceito exprime uma questão que perpassa a história humana como ingrediente importante do funcionamento mental individual e coletivo. A sedimentação desse processo numa determinada cultura envolve um intricado mecanismo sociológico e psicológico, incidindo sobre um país ou povo.


A mentalidade cultural árabe desenvolveu historicamente um profundo preconceito contra a mulher, enquanto no Brasil isto se manifesta mais levemente como machismo. O racismo nasceu quando povos bárbaros como os vikings, louros de olhos azuis, ou os hunos, do sanguinário Átila, apelidado O flagelo de Deus, massacravam e estupravam os povos morenos do Mediterrâneo e os negros africanos. Os judeus eram considerados historicamente povo degenerado física, moral e intelectualmente. Após a Diáspora, passaram a se detestar entre si, divididos entre os inferiores esquenazi e os superiores sefardin, segundo julgamento da própria mentalidade cultural judaica. Portanto, o preconceito, o racismo e a ideia de degenerescência estão umbilicalmente ligados.


Quando o hitlerismo planejou e executou, no holocausto, o bárbaro extermínio do povo judeu, foi apoiado por cientistas e intelectuais do mais alto nível, incluindo o filósofo Heidegger. Antropólogos como Chamberlain afirmavam que a conformação craniana dos dolicocéfalos denotava a base cerebral da raça superior. Inaugurou-se no nazismo a inversão da visão lombroseana, pois para Lombroso o criminoso tinha conformação craniana específica. O indivíduo que vive mais na imaginação do que na realidade transforma facilmente tais absurdos em crenças, desprezando solenemente os fatos.


Depois do nazismo, o caso mais grave de mentalidade cultural preconceituosa resultando em violento extermínio do outra comunidade ocorreu na guerra entre bósnios e croatas. O mais incrível dessa situação é que bósnios e croatas têm a mesma origem étnica e praticam a mesma religião, porém os bósnios se consideram superiores, intelectual e culturalmente. Durante as recentes hostilidades, os bósnios inventaram a tortura chamada Gravata Croata, em que o infeliz era pregado num poste e tinha a língua puxada para fora por um orifício feito na traquéia, morrendo asfixiado com seu próprio sangue. Freud denominou esse fenômeno de narcisismo da diferença, que se manifesta, por exemplo, no ódio do espanhol pelo português, ou do alemão do norte contra o do sul.


O narcisismo individual e grupal têm uma indisposição contra o Outro, seja pela raça ou por qualquer outra diferença sensorial ou física. Os paulistas originários do bandeirantismo desqualificam a nordestinidade originária do vaqueirismo, como se ambos não fossem igualmente brutos e valorosos. A sorte de São Paulo foi a industrialização precoce, que por outro lado trouxe o malefício de um capitalismo conservadorista, dominando a mentalidade daquela corajosa gente e predispondo ao individualismo arrogante. O Brasil crescerá pela integração da sudestinidade e da nordestinidade, cujos valores humanos, intelectuais e científicos devem ser apreciados na história do seu povo.

1 comentário em “O Preconceito Paulista”

  • Davi Jr:   20 de março de 2011 13:59

    Achei excelente e esclarecedora a sua visão sobre o preconceito paulista.Acho que no fundo todos os preconceitos parecem uma auto afirmação do homem em tentar expressar que pode ser qualquer coisa,inclusive estúpido o suficiente para ter preconceito.

Postar comentário

• Comentem as matérias, façam sugestões, elogios ou mesmo reclamações, troquem idéias, este é o lugar para opinar!

• Todo e qualquer tipo de comentário contendo ataques pessoais, expressões chulas e/ou ofensivas será sumariamente DELETADO.

• Os comentários aqui exibidos não necessariamente refletem as opiniões do Blog.